Notícias PROIFES

Sindicatos federados do PROIFES marcam presença nas paralisações em todo o país

Esta sexta-feira, 11, ficou marcada como um dia de paralisações em protesto ao governo Temer e à PEC 55 (antiga PEC 241), realizadas em diferentes regiões do Brasil. Os sindicatos federados ao PROIFES deram sua contribuição, e se manifestaram, de forma unânime, pela paralisação nesta sexta-feira, com ações diversas em suas bases.

Na Bahia, em Salvador, a Apub participou, juntamente com outras categorias de trabalhadores do serviço público e do setor privado, de ato em frente ao Shopping da Bahia, contra PEC 55 (antiga 241), a “Lei da Mordaça” e outras medidas de retirada de direitos. Várias categorias de trabalhadores e trabalhadoras, tanto do setor público quanto do privado, assim como estudantes e representantes de movimentos sociais estiveram presentes.

Embora a pauta central fosse contra a PEC 55 (antiga PEC 241), que congela investimentos públicos por 20 anos, também houve protesto contra a “Lei da Mordaça”, a flexibilização da CLT, a reforma da Previdência e do Ensino Médio, entre outras. Houve também ato em Vitória da Conquista, com docentes do Instituto Multidisciplinar em Saúde da UFBA.

Goiás

As centrais sindicais do Estado de Goiás, por sua vez, promoveram uma agenda de manifestações públicas contra as medidas do Governo Temer que estão ameaçando o Estado Público de Direito, principalmente nas áreas de saúde e educação.

Pela manhã, a Adufg Sindicato foi representada por professores da UFG no ato da Praça do Bandeirante que contou com a presença de centenas de professores e representantes de várias entidades.

Os participantes usaram material de divulgação contra a PEC 55, a reforma da previdência, a reforma do ensino médio, Lei da Mordaça, privatizações e precarização do serviço público. À tarde, a mobilização continuou no Centro de Goiânia.

Paraná

No Paraná, os servidores do Instituto Federal do Paraná (IFPR) do Campus Colombo organizaram atos de protesto em ação articulada nacionalmente de greve geral contra a PEC 55 (antiga PEC 241), e contra a MP 746

Durante o dia também foi assinada a Carta de Colombo, um texto de repúdio dos servidores à maneira autoritária com que se está impondo mudanças na educação brasileira. Essa carta está sendo divulgada nas redes sociais e nos meios de comunicação.

 

Rio Grande do Norte

Um Ato Político-Cultural marcou o início da greve dos docentes da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. A paralisação, que integra um movimento nacional, teve ampla adesão da categoria e foi marcada por apresentações culturais e intervenções políticas que denunciaram as medidas da PEC 55, de desmonte do país, que retira direitos sociais históricos e congela investimentos estratégicos na área da saúde e educação.

A ação faz parte do calendário de atividades e mobilizações da greve dos docentes e aconteceu em unidade com a seção sindical do Sindicato Nacional dos Técnicos de Nível Superior das Instituições Federais de Ensino na UFRN (ATENS/UFRN) e o Diretório Central de Estudantes.

 

Rio Grande do Sul

Na capital gaúcha as mobilizações começaram com manifestações na Reitoria da UFRGS e com ato na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, durante audiência pública sobre os impactos da PEC 55 na educação.

Na sequencia, os professores da UFRGS, UFCSPA, IFRS e IFSUL paralisaram e realizaram caminhada pelo centro da cidade em protesto contra as reformas do Governo Temer.

São Carlos – SP

Em São Carlos, interior do estado de São Paulo, houve caminhada pelas ruas do centro da cidade.

Pará

O Sindproifes-Pará também esteve presente na mobilização pelas ruas de Belém

Veja mais em Galeria de Fotos do Proifes

Matéria produzida com informações de APUB, ADURGS, ADURN, Sindproifes-PA, Sindiedutec e ADUFG

Fotos: Goiás (Lorany Ribeiro/Adufg)

São Carlos (Amarilio Ferreira JR/Divulgação)

Notícias Relacionadas

Agência Proifes

Menu