AGÊNCIA PROIFES

Proifes escreve carta aos parlamentares que pede retirada de pauta do PL 1992.2007

Notícias PROIFES

Proifes escreve carta aos parlamentares que pede retirada de pauta do PL 1992.2007

Brasília, 02 de agosto de2011.

Aos Excelentíssimos Senhores(as) Deputados(as) da Comissão de Trabalho, de Administração e de Serviço Público da Câmara dos Deputados

Excelentíssimo(a)  Deputado(a),

Na condição de Presidente em Exercício do Fórum de Professores das Instituições Federais de Ensino Superior- PROIFES, entidade que representa as IFES, categoria que hoje tem na sua base cerca de 130 mil professores peço a Vossas Excelências que requeiram a retirada do Projeto de Lei nº 1.992, de 2007, da pauta de votação referente à Reunião Deliberativa Ordinária da Comissão de Trabalho de Administração e de Serviços Públicos (CTASP), prevista para o dia 3 de agosto de 2011, às 10 horas, Anexo II, Plenário 12.

O projeto tem o objetivo de instituir a previdência complementar para os servidores públicos federais titulares de cargos efetivos e membros de Poder, podendo se estender aos entes das esferas estadual e municipal. A proposta também fixa um limite para a concessão de aposentadorias e pensões pelo regime de previdência pública, o qual não passará de R$ 3.691,74, além de autorizar a criação de entidade fechada de previdência complementar de natureza privada), embora a Constituição exija natureza pública.

O modelo proposto para os servidores efetivos e membros de Poder destoa, e muito, da previdência complementar adotada até mesmo pelas empresas estatais federais (Petrobrás, Banco do Brasil, etc). O plano que será oferecido ao setor público é semelhante aos vendidos por qualquer banco privado, com características muito mais financeiras do que previdenciárias.

A previdência complementar é marcada por um forte caráter de desigualdade de gênero e traz prejuízos aos grupos com aposentadorias especiais garantidas pela constituição de 1988. Servidoras, professores, delegados, policiais e deficientes serão os mais prejudicados com a proposta. Essa previdência também não cobre salário-maternidade e licença para tratar de saúde, nem mesmo nos casos de moléstia profissional ou acidente de trabalho no exercício de atividades altamente periculosas em nome do Estado.

Com esse figurino, o modelo previdenciário afastará os bons profissionais do serviço público, em especial nas carreiras que apresentam riscos nas atividades, como, por exemplo, as que precisam enfrentar o poder econômico e o crime organizado.

A proposta de previdência complementar segue na contramão das recomendações da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que prevê previdência diferenciada entre o setor público e o setor privado.

Os impactos econômico-fiscais do PL 1992 não são menores.  A decisão política do Congresso Nacional de usar as contribuições previdenciárias para fazer poupança no mercado de capitais tem implicações tributárias e fiscais de grande monta.  Há riscos de descumprimento dos limites de pessoal fixados pela Lei de Responsabilidade Fiscal. Os Tribunais do Poder Judiciário da União e o Ministério Público da União são os que apresentam maior risco de descumprimento dos respectivos limites, já que a maior parte de suas despesas com aposentados e pensionistas é custeada com recursos das contribuições previdenciárias, que passarão a ser capitalizadas, exigindo maior aporte de recursos do Tesouro Nacional.  Os números podem ser conferidos no quadro do item 126 do Acórdão nº 352/2008-TCU/Plenário.

Diante disso, em nome da Diretoria do PROIFES-FÓRUM, peço a Vossas Excelências que intercedam junto ao Presidente da Comissão de Trabalho, de Administração e de Serviço Público, no sentido de retirar o PL 1992 da pauta de votação até que a matéria seja discutida com setores estratégicos do Poder Executivo da União e as entidades representativas dos servidores.

Cordialmente,

Eduardo Rolim de Oliveira

Presidente em exercício

Notícias Relacionadas

Agência Proifes

Notícias Relacionadas

Agência Proifes

Menu