AGÊNCIA PROIFES

Privatização da Educação pode inviabilizar ensino público no Brasil, afirmam especialistas em Seminário Nacional

Notícias PROIFES

Privatização da Educação pode inviabilizar ensino público no Brasil, afirmam especialistas em Seminário Nacional

O processo de captura da educação pública pelo setor privado, no Brasil e na América do Sul, vem se acelerando nas últimas décadas, e faz parte de um movimento global de retomada das políticas neoliberais, que pode inviabilizar o ensino público como é hoje. A análise deste movimento, e suas consequências, foi a tônica das falas e apresentações do primeiro dia do Seminário Nacional sobre Privatização e Mercantilização da Educação no Brasil, que acontece nesta terça-feira, 20, e quarta-feira, 21, no Hotel Nacional, em Brasília (DF).

Organizado pelo PROIFES-Federação, em parceria com a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino (CONTEE) e Internacional da Educação (IE), o primeiro dia do Seminário contou com a presença de mais duzentos participantes, entre professores e professoras, representantes e dirigentes sindicais, pesquisadores e pesquisadoras, e assessores parlamentares.

Na mesa de abertura, o vice-presidente do PROIFES-Federação, Flávio Alves da Silva (ADUFG-Sindicato), destacou que a mercantilização do ensino público no Brasil “tem crescido com velocidade impressionante nos últimos anos, com as instituições privadas investindo pesadamente, e sem a devida regulamentação. Por isso, é importante esse debate e essa análise, e o PROIFES já vem discutindo esse movimento há bastante tempo, tanto no Brasil quanto no exterior, junto com as outras instituições que coordenam esse Seminário”. Flávio dividiu a mesa de abertura com Fátima Silva, vice-presidenta da IE para a América Latina, Heleno de Freitas, presidente da CNTE, Adércia Hostin, da Contee, Combertty Rodriguez, do escritório regional da IE para a América Latina.

No período da manhã, Rodriguez apresentou um panorama da conjuntura internacional na Educação, em que destacou o alcance das políticas privatistas no ensino público, em um contexto de retomada do ideário neoliberal, especialmente forte no Brasil e na América do Sul. “Houve uma sequencia de golpes na América Latina, em Honduras, Paraguai e Brasil, e tentativas de golpe no Equador e outros países, com intenção de recuperação de políticas neoliberais. Agora este movimento vem com tudo, ditando as regras novamente, como já operou com o Fernando Henrique Cardoso aqui [no Brasil], e com Carlos Menem na Argentina. Há um contexto mundial de uma lógica que diz que o setor de ensino deve ser tomado pelos segmentos privados, é um projeto global, que vem operando não agora, mas há muitas décadas”, destacou o Rodriguez.

Na sequência, Maria Lúcia Braga, do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), apresentou a pesquisa A Bancada da Educação no Congresso Nacional Brasileiro: perfil e agenda. A socióloga destacou a composição desta bancada, formada por 109 deputados e 47 senadores, que respondem por 20% da Câmara e 57% do Senado, respectivamente. Segundo Maria Lúcia, “a bancada da Educação é majoritariamente branca e masculina, reproduzindo a formação geral do Congresso Nacional, fortemente marcada pela presença de empresários e advogados, que superam em número os professores e professoras na composição da bancada”.

Também na tarde deste primeiro dia do Seminário, a mesa Privatização e Mercantilização da Educação Básica no Brasil: Análise das matrículas, orçamentos públicos, transferências de recursos públicos à iniciativa privada, políticas de renúncia e isenção fiscal e a percepção dos dirigentes sindicais sobre as políticas de privatização em curso no Brasil, com os pesquisadores Evilásio Salvador, Samuel Lima e Natália Duarte, da Universidade de Brasília. Segundo Natália, “a mercantilização chegou na educação básica, é um fenômeno silencioso e pouco estudado, e vemos nos últimos anos um decréscimo nas matrículas públicas, e aumento das matrículas privadas, e um déficit de financiamento nos municípios, o que implica fechamento de escolas, especialmente do campo, o que viola o direito universal à educação no Brasil”.

A segunda mesa da tarde teve por tema O avanço da Privatização da Educação Superior no Brasil e as consequências nas políticas educacionais, apresentada pelo diretor de Políticas Educacionais e Relações Internacionais do PROIFES-Federação, Gil Vicente Reis de Figueiredo (ADUFSCar). A transferência de recursos públicos para o ensino superior privado chegará a 32 bilhões de reais este ano, o que representa uma parte importante de recursos totais do Ministério da Educação (MEC), algo próximo de R$ 100 bilhões, destacou Figueiredo na apresentação. “Então temos um cenário em que um terço dos recursos do MEC é destinado à indústria privada de educação, que vai transformá-los em lucro para seus acionistas. E com a vigência da Emenda Constitucional 90, que congela gastos sociais pelos próximos vinte anos, não é possível manter um mínimo de investimentos em educação sem uma reforma cruel da Previdência, abrindo caminho para a privatização irrestrita do setor no Brasil”. Após as apresentações e mesa, foi realizado um debate com os participantes do Seminário e palestrantes.

No período da tarde houve reunião da Coordenação da Conferência Nacional Popular de Educação (CONAPE), na qual o PROIFES-Federação e mais nove entidades educacionais debateram o regimento da CONAPE. Às 18h, no Seminário, houve o lançamento oficial da CONAPE 2018, com a leitura do Manifesto em prol da democracia e da educação transformadora.

O Seminário continua nesta quarta-feira, 21, a partir das 9h.

Fotos: PROIFES e Renato Alves/CNTE

Notícias Relacionadas

Agência Proifes

Notícias Relacionadas

Agência Proifes

Menu