PROIFES | Federação de Sindicatos de Professores e Professoras de Instituições Federais de Ensino Superior e de Ensino Básico Técnico e Tecnológico

Comunicação

Notícias Proifes

Internacional da Educação questiona se reforma do ensino superior pós-pandemia é transformação digital que prioriza o mercado

Publicado em : 09/02/2021

As tecnologias de educação tornaram-se um aspecto fundamental do setor de ensino superior durante a pandemia COVID-19. A situação de emergência no setor terciário em escala global tornou mais fácil para as empresas de tecnologia da educação, negócios internacionais de tecnologia e as redes de patrocinadores que os apoiam definirem o futuro da Universidade após a pandemia.

Nosso novo relatório para a Internacional da Educação: Pandemia e Privatização no Ensino Superior: Tecnologias Educacionais e Reforma Universitária examina em detalhes as várias maneiras em que tentamos alcançar e avançar a mercantilização e privatização do ensino superior educação por meio da tecnologia educacional e programas de 'transformação digital' durante o fechamento de campus e interrupções na atividade universitária em 2020. O próprio surgimento da pandemia também fez com que o ensino superior se abrisse para soluções tecnológicas privatizadas.

Aqui a íntegra em inglês, e aqui o Resumo Executivo em espanhol

No relatório, argumentamos que, embora não seja uma opção negativa por si só que as tecnologias da educação estejam presentes no ensino superior, uma vez que a educação à distância e os modelos de aprendizagem online podem trazer vantagens significativas para as universidades, fazer isso implica sérios problemas para o setor privado e sua influência para motivar mudanças nos valores e objetivos do ensino superior.

Um dos objetivos e valores fundamentais que motivam a expansão da tecnologia educacional privada é de natureza econômica. A pandemia tem sido muito lucrativa para muitas organizações privadas no setor de educação. A agência de inteligência de mercado de tecnologia educacional HolonIQ calculou que o investimento total de capital de risco em tecnologia educacional ultrapassou US $ 16 bilhões somente em 2020, um movimento que foi descrito como suporte financeiro para “uma abordagem cujo objetivo é transformar a forma de aprender sobre o mundo ”. A pandemia foi entendida como um catalisador de capitalização para a tecnologia educacional, com investidores procurando por fluxo de caixa potencial no futuro, graças a produtos que prometem transformação educacional. Os conceitos-chave que o nosso relatório aprofunda são a ideia de que as avaliações de mercado, o capital privado e a inovação tecnológica são aspectos fundamentais na transformação da educação, as formas como uma “visão” tecnológica está a gerar consenso entre as várias partes envolvidas e a concretização nas políticas e práticas desse imaginário centrado no mercado. Neste breve texto introdutório, explicamos como essas dinâmicas emergentes estão progredindo na mercantilização e privatização do ensino superior.

Reinventar a universidade

Durante a pandemia, o ensino superior em todo o mundo tornou-se o foco de um movimento profundo de reinvenção por meio de extensas redes de think tanks, consultorias, agências da indústria, empresas educacionais, organizações financeiras e empresas de tecnologia. Dentro da estrutura de uma jornada mais ampla de tentativas na reforma multissetorial do ensino superior e nos projetos recentes de incorporação da “transformação digital” ao ensino superior.

O projeto Learning and Teaching Reimagined Initiative, lançado no Reino Unido em outubro de 2020, é um exemplo do imaginário transformador que tem circulado e ganhado peso no último ano. Em um relatório intitulado Digital at the Core, a iniciativa lança uma visão estratégica para reconstruir o ensino superior pós-pandêmico e 'universidades capacitadas por dados' no Reino Unido, envolvendo a integração de dados em todas as atividades e tomadas de decisão com base neste aspecto; a “segmentação” da educação em componentes independentes para reconstruí-la como novos produtos em plataformas de educação tecnológica por provedores de mercado e a seleção de conteúdo educacional “personalizado” com base na análise de dados individualizada. Ter um “núcleo digital” também significa que as universidades estão conectadas a uma nuvem interoperável e a sistemas de dados fornecidos por colaboradores com imensas infraestruturas, como Salesforce ou Amazon Web Services, por meio de novos acordos que representam alianças entre o público e o privado.

Universidades em plataformas e campus na nuvem

No livro The Platform Society, Jose van Dijck, Thomas Poell e Martijn de Waal argumentam que as empresas globais de tecnologia claramente começaram a se mover para a educação. Eles fazem isso fornecendo plataformas de ensino e aprendizagem, bem como infraestruturas de nuvem e de dados que facilitam a conectividade, a interoperabilidade, as integrações de plataformas de terceiros e o fluxo de dados entre sistemas. É um fato cada vez mais difundido no ensino superior, disfarçado de medidas de emergência para a pandemia, uma vez que interrupções nas aulas presenciais levaram à criação de novas “universidades plataforma” e “campi na nuvem” que estão inseridos no digital, infraestruturas privadas e internacionais.

Por exemplo, a Salesforce, o parceiro técnico da iniciativa Learning and Teaching Reimagined, vê sua Arquitetura de Dados Educacionais para o projeto de ensino superior como uma infraestrutura de "360 graus" para coletar, analisar e usar dados de alunos. Ele combina informações sobre o corpo discente, gerenciamento de aprendizagem e outros sistemas institucionais, bem como aplicativos de terceiros disponíveis por meio do Salesforce AppExchange em um sistema interoperável: Salesforce Education Cloud. Essa ferramenta também "integra o Einstein", sistema de aprendizado de máquina e inteligência artificial preditiva da empresa.

As novas infraestruturas universitárias em plataformas ou campus na nuvem são um exemplo da materialização do conceito de uma universidade que passou por uma transformação digital, baseada em dados e que utiliza inteligência artificial. É o modelo que prevaleceu em sistemas educacionais como o Reino Unido. A universidade moderna está se tornando uma plataforma para gerenciar um mercado de sistemas de tecnologia educacional em expansão e reajustar suas infraestruturas para operar em nuvem e infraestruturas de dados globalmente conectadas.

Tudo isso permite que empresas de tecnologia educacional e provedores de nuvem busquem acordos lucrativos e colaborações com instituições enquanto promovem uma filosofia transformadora que definirá as operações e os propósitos do ensino superior durante a recuperação e reconstrução pós-pandemia.

A transformação digital do ensino superior está longe de ser apenas um projeto tecnológico. É, acima de tudo, uma obra política a que aspiram coalizões poderosas de diversos setores. Jose van Dijck e seus colegas afirmam que esta nova plataforma e as transformações das infraestruturas educacionais fazem parte de um “programa político em que o que antes eram funções públicas e governamentais são geridas com o objetivo de gerar lucros na esfera privada”, com o aumento movimentação de fundos públicos para plataformas que capitalizem “sistemas de ensino e aprendizagem baseados em dados e com elevada presença tecnológica em detrimento do investimento em competências pedagógicas e didáticas humanas e que requerem uma utilização intensiva de mão de obra”.

Imaginários alternativos para o ensino superior após a pandemia

O futuro privatizado e altamente capitalizado do ensino superior requer um esforço coordenado por sindicatos de ensino superior, funcionários universitários e estudantes para garantir que seus pontos de vista sejam levados em consideração em todas as propostas de transformação digital de suas instituições. Essa transformação poderia ter um grande impacto no ensino e aprendizagem nas universidades, além da recuperação da atual situação de emergência. No entanto, os mais afetados por essas mudanças têm pouco peso na hora de negociar o futuro do setor. Iniciativas de destaque como a rede The Post-Pandemic University demonstram a importância do conhecimento e da experiência no setor para desenvolver um futuro alternativo, firme e democrático para o ensino superior de forma amigável, dialógica e consensual.

Empresas de tecnologia, empresas de tecnologia educacional e investidores, bem como consultorias, agências e entidades políticas estão promovendo um programa de transformação tecnológica e econômica que coloca o fator digital em primeiro lugar e provoca um aumento na dependência das universidades de plataformas e infraestruturas privadas, um aumento no acompanhamento de alunos e funcionários por meio de sistemas de dados e controle e na integração de tecnologias automatizadas de Inteligência Artificial às rotinas pedagógicas.

Aumentar o uso da tecnologia pode ser benéfico para o ensino superior se esta etapa for negociada com funcionários e alunos da universidade e for baseada em objetivos e valores totalmente educacionais, ao invés de guiada pelos ditames de valores. Do mercado, interesses comerciais e políticas de reforma premissas sobre o valor do ensino superior em uma economia pós-pandêmica.

A rápida transformação digital do setor, desencadeada por avaliações de mercado, tentativas das empresas de tecnologia para aumentar seu domínio no setor de educação e desejos dos investidores por fluxo de caixa, pode se tornar profundamente antidemocrática e potencialmente prejudicial ao futuro do ensino superior.

O futuro da educação não deve se basear em uma transformação que priorize as necessidades dos mercados e do fator digital, mas deve se inspirar em propostas que priorizem os objetivos em áreas como a pedagogia e o desenvolvimento curricular, bem como os debates setoriais sobre o papel crítico do ensino superior perante os complexos desafios que nos esperam.

Para acessar o relatório completo: Pandemia e Privatização no Ensino Superior: Tecnologias Educacionais e Reforma Universitária, de Hogan, A. e Williamson, B. (2021), clique aqui. O sumário executivo em espanhol pode ser consultado aqui.

 













Nota de repúdio à portaria 983/2020

Nota de repúdio à portaria 983/2020

 01/04/2021

O SINDIEDUTEC vem a público ressaltar o seu repúdio à portaria 983, emitida pelo MEC em novembro de 2020, por entender que a afronta à autonomia das IFES é uma afronta também aos processos democráticos livres que ocorrem dentro das [...]





GO!Sites