Notícias PROIFES

Jessé Souza: “Lava Jato é a máscara nova de um jogo antigo”

Com a assertiva de que vivemos o momento mais sombrio da nossa história e de que Lava Jato é a máscara nova de um jogo antigo, Jessé Souza lançou nesta sexta, 13, em Natal, sua mais recente obra “A Elite do Atraso: da Escravidão à Lava Jato”. Ao lado de “A Tolice da Inteligência Brasileira”, de 2015, e de “A Ralé Brasileira”, de 2009, o livro compõem uma trilogia, num esforço de repensar a formação do país e a origem escravocrata das suas relações sociais e da corrupção.

Em palestra concorrida, o sociólogo falou para uma plateia de mais de duas centenas de professores universitários, estudantes, políticos, petroleiros, juristas, profissionais da mídia e de diversas outras categorias, lideranças dos movimentos sociais e sindicais e a sociedade civil, que lotaram o auditório do Centro de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Ao abrir a segunda edição do Projeto Diálogos, uma realização do ADURN-Sindicato e da Cooperativa Cultural da UFRN, Jessé falou do instante de dificílima percepção para as pessoas de que o país sempre foi apresentado de um modo falso, desde a sua origem, quando aprendemos na escola a história de que viemos de Portugal e que é de lá que herdamos a corrupção presente apenas na política.

Para ele, é preciso “mostrar que o real problema nosso é a desigualdade, a exclusão, seja pela continuidade da escravidão de parcelas consideráveis da população, que têm condições muito semelhantes à de ex-escravos, seja por uma elite que continua explorando, saqueando e rapinando nossa riqueza”.

Jessé avalia que a Lava Jato é mais um desdobramento recorrente dessa percepção da história do Brasil destinada a enganar o público. “A Lava Jato é a máscara nova de um jogo antigo”, afirma.

Ao explicar como se dá esse processo de sistemática desvirtuação da realidade, o sociólogo diz sermos filho de um regime de escravidão, que não existia em Portugal, e que instituiu no país uma família, uma política e uma justiça muito distintas. Para ele, temos uma formação muito singular e uma elite igualmente singular, que repete há 500 anos o saque e a venda.

Nesse repetir desde sempre a mesma prática, Souza diz que “a elite comprou uma intelectualidade e uma imprensa, que não funciona como tal, já que não é plural, não põe duas opiniões nunca e é típica de um país ditatorial”.

“O que a Lava Jato fez, juntamente com a mídia, e especialmente com a rede globo, foi distorcer a realidade e fazer de conta que a corrupção está num lugar, e não está, porque a política é comprada pelo mercado e os juros que pagamos, o orçamento pago, vai todo para os rentistas”, esclarece Jessé ao apontar a dívida pública como a real corrupção no país.

Com a assertiva de que é necessário oferecer um sentido correto à corrupção que está na semântica popular, Souza afere que a maneira como foi forjada a compreensão do Brasil cria uma distorção da realidade em nome de questões falsas como a que o mal é da corrupção na política apenas.

“Está havendo uma regressão civilizacional do nosso país em nome do saque e da rapina de uma meia dúzia, legitimada por uma mídia que não merece esse nome”, enfatiza Jessé ao tratar do processo de privatizações em curso. “Estão vendendo nosso país, nossas riquezas, como petróleo e água, a partir da mentira de que a questão está na corrupção só dos políticos”, acrescenta.

Na avaliação do sociólogo, a sociedade está exposta à farsa e à fralde em grandes proporções a partir de mentiras produzidas midiaticamente com o objetivo de perseguir políticos e partidos e criminalizar a demanda por igualdade social.

“Se o povo não consegue mais expressar seus ressentimentos e justas raivas contra a sua exclusão de forma política e racional, como vai explicitar? Sobram as formas de violência e ódio diretos que hoje convivemos em nosso país e é personificada na figura do Jair Bolsonaro”, aponta Jessé Souza.

Ao final da exposição, o sociólogo Jessé Souza respondeu às perguntas encaminhadas à mesa e fez uma sessão de autógrafos. Os livros comercializados no local tiveram as vendas esgotadas.

Fonte: ADURN-Sindicato

 

Notícias Relacionadas

Agência Proifes

Menu