Notícias PROIFES

Dia Nacional de mobilização movimenta Institutos e Universidades Federais

Os sindicatos filiados ao PROIFES-Federação promoveram neste último 25 de abril o Dia Nacional de Mobilização nos institutos e Universidades Federais em diferentes estados brasileiros. A iniciativa do PROIFES que propôs atividades construtivas e propositivas para esta data alcançou o objetivo de protestar contra a inclusão no PL 2203/11 de itens não negociados com as entidades, como a mudança na forma de cálculo dos adicionais de insalubridade e periculosidade e pelo atraso no pagamento dos 4% e da incorporação das gratificações, acordadas em 2011, para vigorar em 01/03/2012, e pelo atraso no grupo de Trabalho (GT) de reestruturação da carreira docente, que deveria ser concluído em 31 de março e teve que ser prorrogado até 31 de maio. Enquanto os estados estavam mobilizados, acontecia em Brasília mais uma reunião do GT com o Ministério do Planejamento (MPOG).

Na Bahia, a APUB-Sindicato preparou um dia de mobilização nas unidades da UFBA, IFBA e UFRB, na capital e no interior. No dia 24, o Sindicato se reuniu com docentes do IFBA e do ICADS-UFBA, em Barreiras, e promoveu encontro político com os docentes de ambas as Ifes. A presidenta da APUB, Silvia Lúcia Ferreira, abriu a discussão falando sobre o trabalho da entidade e a necessidade da filiação para o fortalecimento da entidade nas unidades do interior. Na ocasião foram abordados os temas campanha salarial, o andamento da negociação da carreira com o Ministério do Planejamento, e a aposentadoria sob as novas regras conforme Projeto de Lei 1992/2007 aprovado.

A mobilização teve sequência no dia 25, em conversas com docentes de Cruz das Almas e de Salvador, passando pelos institutos de Matemática, Geociências, Química, pavilhão de Aulas e São Lázaro. Após a mobilização nas unidades, a diretoria da APUB- Sindicato e a base se reuniram em assembleia, na sede da entidade, para avaliar o movimento. A presidenta atualizou os professores sobre a rodada de negociação do GT de reestruturação da carreira, que ocorria paralelamente ao Dia Nacional de Mobilização dos Servidores Públicos Federais. Para a diretoria e apoiadores, o saldo foi positivo e o movimento foi consonante com as outras entidades filiadas ao PROIFES-Federação.

Já o Sindicato dos Docentes das Universidades Federais de Goiás-ADUFG-Sindicato, em parceria com o Sindicato dos Trabalhadores Técnico-administrativos em Educação das Instituições de Ensino Superior do Estado de Goiás-SINT-IfesGO, distribuíam em todas as unidades acadêmicas cópias do manifesto assinado pelos dois sindicatos. O SINT-IfesGO organizou ação popular na Praça Cívica, no centro de Goiânia, com a participação de centenas de servidores.

Na tarde do dia 25 a ADUFG-Sindicato e SINT-IfesGO promoveram um debate sobre a valorização da carreira das duas categorias. Direto do Ministério do Planejamento (MPOG), a presidente da ADUFG-Sindicato, professora Rosana Borges, acertou com o Secretário de Relações do Trabalho, Sérgio Mendonça, um pronunciamento para o público do debate que foi transmitido ao vivo, via web, a todos presentes e aos que acompanharam o debate pela internet.

Sérgio Mendonça apresentou breve relato sobre o posicionamento das negociações até o momento do GT e ainda respondeu, via celular, questionamentos dos representantes do SINT-IfesGO e do PROIFES. Também por telefone, a Presidente da ADUFG-Sindicato atualizou o público do debate sobre a negociação, informando que o Governo apresentará uma proposta final à categoria no próximo 15 de maio e que a orientação do PROIFES-Federação é de continuar a negociação até o final do GT previsto para 31 de maio.

Como consequência do Dia Nacional de Mobilização no Ceará, os professores das universidades federais do estado do Ceará irão paralisar as atividades docentes por todo o dia e realizarão ato público em conjunto com outros servidores federais. A decisão foi tomada na Assembleia Geral dos Professores que a ADUFC-Sindicato realizou na quarta, 25 de abril.

Cerca de 200 professores participaram do evento, além de membros do Sindicato dos Servidores das Universidades Federais do Ceará  (Sintufce), do Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (Sinasefe) e alguns estudantes. Os diversos pronunciamentos contribuíram para o debate e contemplaram tanto uma análise do atual contexto quanto estratégias futuras. Foi aprovada ainda uma mobilização junto aos parlamentares para que estes intervenham no sentido de promover um real avanço nas negociações da carreira em Brasília.

No Rio Grande do Sul, professores de Porto Alegre participaram ontem de dois debates promovidos pela ADUFRGS-Sindical sobre a carreira docente. Nos encontros, a presidente do Sindicato, Maria Luiza Ambros von Holleben, fez um breve histórico do  processo de negociação e o 1º vice-presidente, Claudio Scherer falou sobre a carreira docente e as possibilidades de flexibilização da proposta do Proifes-Federação a ser levada à Mesa de Negociação. Houve intensa participação dos professores presentes, que além de protestarem contra a atitude do governo, apresentaram propostas em relação às ações a serem tomadas para a cobrança do cumprimento do acordo e à flexibilização da carreira proposta pela Federação.

Ao encerrar as atividades do Dia Nacional de Mobilização os dirigentes da ADUFRGS entregou uma carta ao reitor Carlos Alexandre Netto, pedindo o apoio  do mesmo ao protesto dos professores contra o não cumprimento do acordo por parte do governo. O reitor garantiu que enviaria uma cópia do documento ao presidente da Andifes, João Luiz Martins, com a solicitação de que a entidade representativa dos reitores intervenha junto ao governo em relação a este assunto. Carta semelhante foi enviada à reitora da UFCSPA, Míriam da Costa Oliveira e à reitora do IFRS, Cláudia Schiedeck Soares de Souza. A ADUFRGS-Sindical também pediu apoio à bancada gaúcha na Câmara Federal, no sentido de que os parlamentares do RS pressionem para que o PL 2203/11, que prevê o reajuste e a incorporação das gratificações, tenha a tramitação agilizada no Legislativo.

No Mato Grosso do Sul, ocorreram reuniões nos 11 campos da Universidade Federal, filiadas à ADUFMS-Sindical. Houve grande aceitação da proposta de extinção de níveis da carreira docente, com a manutenção das 4 classes para um cargo e titular para outro, conforme defendido pelo PROIFES no Grupo de Trabalho que discute esta e outras questões junto ao Ministério do Planejamento.

No Paraná, a estratégia sugerida pelo Sindiedutec foram aulas de 30 minutos com debates e discussões com os alunos sobre a pauta em discussão com o governo federal. Em diversos locais houve atos públicos. Em Curitiba, o Centro Acadêmico fez assembléia com os alunos que definiram por apoio às atividades dos professores. A mobilização foi estendida à rua na do Campus por duas horas, o que chamou a atenção de diversos meio de comunicação para o tema da mobilização.

Na assembléia realizada à tarde para avaliação, o tom predominante foi de que não teria sentido discutir greve enquanto ocorre uma mesa de negociação com o governo. Entretanto, caso não haja avanço nas negociações, está aprovado um indicativo de greve para o início de junho, dia 4.

Já a ADURN, no Rio Grande do Norte, trabalhou focou na mídia Potiguar para dar visibilidade à mobilização. No dia 24, o presidente da entidade João Bosco da Costa foi entrevistado na TV Universitária e o diretor de comunicação, Wellington Duarte, concedeu uma entrevista de 45 minutos à Band Natal. No dia 25, a articulação se desenvolveu junto aos rádios locais e redes sociais. Faixas e cartazes também foram distribuídos em diferentes pontos para aumentar a visibilidade da mobilização.

Notícias Relacionadas

Agência Proifes

Menu