AGÊNCIA PROIFES

Assembleia Geral da APUB aprova agenda de mobilização

Notícias PROIFES

Assembleia Geral da APUB aprova agenda de mobilização

Em Assembleia realizada ontem (24), no auditório do Pavilhão de Aulas Reitor Felipe Serpa (PAF I/Ondina) docentes da UFBA debateram as ameaças à universidade e ao serviço público diante do cenário de cortes, contingenciamento e das medidas que prejudicam os/as servidores anunciadas pelo governo Temer; bem como, as agendas de mobilização de luta tanto das Centrais e Frentes como do próprio sindicato. A mesa foi coordenada pela diretora acadêmica da Apub Raquel Nery e pela presidenta Luciene Fernandes.

Informes

Os informes da diretoria foram dados pela professora Raquel Nery e incluíram os debates do XIII Encontro Nacional do PROIFES, a primeira parcela da reestruturação das carreiras, a agenda de lutas da Frente Brasil Popular e a participação da Apub em eventos e atos. (leia aqui a lista completa dos informes). Nos informes da plenária destacam-se a reunião da Frente Baiana Escola Sem Mordaça, marcada para o dia 05 de setembro, às 17h na Faced, que discutirá a Base Nacional Comum Curricular (BNCC); reunião no IAT, dia 25 de agosto para discutir a unidade dos movimentos populares e a mobilização dos/as estudantes. A professora Celi Taffarel (Faced) entregou uma carta aberta dos/as estudantes da UFBA denunciando cortes na assistência estudantil e pediu solidariedade à situação.

Situação Financeira da UFBA

A Apub havia solicitado uma representação da Reitoria da UFBA presente na Assembleia para esclarecer os/as docentes sobre a situação financeira da universidade. Diante da incompatibilidade da agenda da reitoria, a administração enviou um relatório apresentado na última reunião do Consuni, explicitando o orçamento previsto na LOA 2017 e os valores contingenciados (veja abaixo). O posicionamento da administração é que a universidade deve honrar seus compromissos financeiros até o fim do ano, com “racionalização de gastos”. O professor João Augusto Rocha (Politécnica) questionou o significado da “racionalização” e pediu um posicionamento político da universidade a respeito.

Debate

Entrando propriamente nos pontos de pauta, diversos/as docentes se manifestaram com preocupação diante do cenário político e da aparente desmobilização da sociedade. Discutiu-se especialmente a estratégia de desmonte dos serviços públicos e a responsabilidade das entidades sindicais e movimentos sociais em organizar a luta. A situação dos estudantes também foi bastante abordada, bem como a necessidade de construir uma Greve Geral unificada e forte. A presidenta da Apub, Luciene Fernandes, ressaltou que algumas unidades da UFBA já estão se mobilizando, a exemplo da Escola de Dança, que realizou a “Ciranda das Diretas Já” e do IHAC, que toda quarta-feira tem organizado atos na Praça das Artes. A professora Celi Taffarel destacou que o sindicato deve se fazer mais presente nas unidades, explicando as medidas que ameaçam o serviço público e afirmou quer era preciso construir a Greve Geral dos trabalhadores para o próximo período. Joviniano Neto (FFCH/Aposentado) disse que luta é de longo prazo e falou da importância da participação em Frentes e da construção de um projeto para o país; propôs também a participação da Apub no Grito dos Excluídos, no dia 07 de setembro. O professor Antonio Lobo (Igeo) afirmou entender que a mobilização é uma tarefa coletiva e propôs a criação de uma Comissão e uma agenda de passagem em unidades. Henrique Saldanha (ICS) lembrou a necessidade de dialogar para além da universidade, realizando ações em zonas populares. Tatiane Santos (Enfermagem) propôs ainda que se indicassem dias de paralisação no próximo semestre; e a professora Maíra Kubik (FFCH) indicou a realização de ações de mídia alertando a população

Encaminhamentos

– Moção de solidariedade às famílias das vítimas do desastre marítimo na Baía de Todos os Santos

– Formação de uma Comissão de Mobilização (Antonio Lobo, João Augusto Rocha, Carlos Zacariais, Joviniano Neto, Tatiane Santos, Celi Taffarel) e busca de representação nas unidades.

– Organização de um calendário de passagem em unidades no retorno do semestre, com rodas de conversas nos auditórios

– Realização de paralisações periódicas e ato na Praça da Piedade

– Seguir agenda de lutas das Centrais, Frentes e outros sindicatos de servidores

– Participação na Campanha Conhecimento Sem Cortes

– Construção da Greve Geral com outros setores da sociedade

– Realizar escrachos de parlamentares que votam contra os trabalhadores

– Participação no Grito dos Excluídos

– Realizar campanhas na mídia

– Intensificação do diálogo com a periferia

– Organização de uma Assembleia conjunta com estudantes e servidores técnico-administrativos

Fonte: APUB-Sindicato

Notícias Relacionadas

Agência Proifes

Notícias Relacionadas

Agência Proifes

Menu