PROIFES | Federação de Sindicatos de Professores e Professoras de Instituições Federais de Ensino Superior e de Ensino Básico Técnico e Tecnológico

Comunicação

Notícias Sindicatos Federados

Zeca Dirceu: 'O governo Bolsonaro abriu mão de governar'

Publicado em : 14/08/2019

Na manhã desta segunda-feira (12), o deputado federal Zeca Dirceu realizou palestra na sede do SINDIEDUTEC. O debate seria promovido dentro das dependências do IFPR, mas foi censurada sob acusação de doutrinação marxista por um dos candidatos ao cargo de reitor. A proibição dos debates, que tinham como tema os rumos da educação pública, foi proibida pelo procurador federal junto ao IFPR. Guilherme Boulos falaria na sexta e Zeca Dirceu falaria na segunda. Ambos foram censurados e Boulos apresentou o tema na rua, em frente ao IFPR.

Zeca Dirceu avaliou a palestra de Boulos na rua como algo positivo e um enfrentamento necessário, pois acredita que o debate sobre educação e os desmontes promovidos pelo governo federal precisam mesmo atingir a maioria da população de forma direta. “Nós perdemos a opinião pública sobre a reforma da Previdência, por exemplo. É necessário que nos comuniquemos de forma direta”, disse.

O deputado afirmou ainda que o ato do dia 13 tem o potencial de denunciar ainda mais o projeto do governo Bolsonaro que, para ele, é um projeto que retira os direitos e a dignidade do povo em prol do mercado financeiro. “É um governo abrindo mão de governar. Terceiriza-se até a ação de governo. Quem elabora políticas públicas nesse governo é o mercado financeiro”, colocou. 

O deputado estadual Professor Lemos também esteve presente e colocou que estas pautas de retiradas de direitos ocorrem também em nível estadual e municipal. Trata-se, segundo ele, de uma tática neoliberal. “Se houver ataque à saúde e à educação, você já consegue reduzir a carga tributária, pois não existe mais esse serviço sendo oferecido para a população”, disse. Lemos explicou que quando a chamada PEC do Teto foi aprovada e o investimento em serviços básicos foi congelado por 20 anos, foi dado o prazo para construir o estado mínimo no Brasil.

Otávio Sampaio, presidente do SINDIEDUTEC, falou da importância de tomar posição nesse momento em que graves intervenções podem acontecer. “É muito grave a possibilidade de intervenção do MEC no IFPR, é preciso denunciar e resistir. Por isso nosso sindicato tomou a decisão de resistir junto à categoria”, declarou.Zeca Dirceu parabenizou e agradeceu o espaço oferecido e completou que é preciso insistir junto aos parlamentares, pois existem alguns receosos que se elegeram, mas seus votos diminuíram. “É necessário uma ação de comunicação. O Brasil pode gerar emprego com obras públicas, por exemplo. E é preciso dar estes sinais à população para que lutem junto aos parlamentares”, explicou.

Fonte: Ascom SINDIEDUTEC













Marcha das Margaridas reúne 100 mil pessoas em Brasília

Marcha das Margaridas reúne 100 mil pessoas em Brasília

 15/08/2019

O ADUFG-Sindicato participou nos dias 13 e 14 de agosto da maior ação de mulheres da América Latina, a Marcha das Margaridas. Pelo menos 100 mil pessoas ficaram acampadas no Pavilhão do Parque da Cidade Sara Kubitschek, antes de marcharem até a Esplanada dos [...]





GO!Sites