PROIFES | Federação de Sindicatos de Professores e Professoras de Instituições Federais de Ensino Superior e de Ensino Básico Técnico e Tecnológico

Comunicação

Notícias Sindicatos Federados

ADURN-Sindicato discute o cenário das Universidades no contexto de contingenciamento em audiência com a reitora

Publicado em : 17/05/2017

Discutir o papel das universidades federais no atual contexto vivenciado pelo país, o cenário das Instituições Federais de Ensino e questões de ordem financeira da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Este foi o objetivo da audiência que o presidente do ADURN-Sindicato, Wellington Duarte, e o diretor Oswaldo Negrão tiveram na tarde desta terça-feira, 16, com a reitora da UFRN, Ângela Paiva Cruz.

O presidente do Sindicato, o professor Wellington Duarte, falou sobre o papel das Universidades e do Sindicato na ampliação dos debates das medidas que vêm sendo implementadas e atingem os trabalhadores, os servidores e o serviço público, e abordou os projetos “Na Trilha da Democracia”, que em sete edições já envolveu mais de 3000 pessoas, e “Diálogos”, que será lançado nesta quinta-feira, 18.

"É um momento ímpar na história do movimento docente da UFRN, unindo os esforços do Sindicato dos professores em estabelecer diálogos com a comunidade a sociedade em geral, tendo a parceria da Cooperativa Cultural. Representa um passo ousado do Sindicato para aprimorar sua ação sindical e política em defesa da categoria\", ressaltou o dirigente.

O dirigente abordou ainda o dramático cenário das Instituições Federais de Ensino no contexto do contingenciamento de recursos e questionou a reitora, que preside a Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), como está a relação com os ministérios da Educação e do Planejamento.

Ângela apontou preocupação especial com a insuficiência dos repasses financeiros, já que a LOA 2017 foi aprovada com um valor de custeio de 6,74% menor, em relação 2016. No caso dos recursos de capital, os cortes foram 50% em relação ao mesmo ano. De acordo com a presidente da Andifes, esse critério de financiamento da educação pública superior é mais restritivo do que o previsto na Emenda Constitucional nº 95 (PEC 55), aprovada sob a garantia de não reduzir recursos para a educação. “A realidade é que os recursos de capital não estão sendo liberados. Nossa maior preocupação é que o orçamento 2017 seja insuficiente para o funcionamento regular das universidades, bem como consolidar os projetos pactuados com o MEC e a expansão do sistema federal de educação superior”, explicou.

Ao tratar da reunião que a ANDIFES teve no último dia 19 de abril com a secretária executiva do Ministério da Educação (MEC), Maria Helena Guimarães de Castro e o secretário de Educação Superior (SESu/MEC), Paulo Barone, a reitora abordou outras questões que preocupa os gestores e que estão elencados em documento entregue ao governo, como a suplementação orçamentária para fazer frente às despesas de custeio.

Para Ângela, é preciso garantir a liberação regular de limites orçamentários e recursos financeiros, para que as universidades possam cumprir seus compromissos institucionais

Fonte: ADURN-Sindicato









Nota do Adufg Sindicato - Reforma Trabalhista

 12/07/2017

O Adufg Sindicato lamenta a aprovação da Reforma Trabalhista no Senado, dia 11/07, e considera um retrocesso aos direitos dos trabalhadores. Aprovada às pressas e com tumulto por 50 votos a 26, a reforma precariza e fragiliza as condições e [...]


SINDIEDUTEC participa da plenária nacional da FASUBRA

SINDIEDUTEC participa da plenária nacional da FASUBRA

 11/07/2017

Nos dias 8 e 9 de julho, o SINDIEDUTEC-Sindicato participou na plenária nacional da FASUBRA-Sindical. Estiveram presentes no evento os três delegados eleitos na última assembleia: Alexandro Mirkovski (Irati) e Luiz Augusto Estacheski (Barracão) como delegados de [...]





SINDIEDUTEC - Comunicado sobre a campanha salarial dos TAEs

 23/06/2017

O último acordo salarial, assinado pela FASUBRA Sindical com o governo foi fruto da Greve de 2015. Após meses em Greve, fechamos um acordo parcelado em dois anos, cuja última parcela foi paga em janeiro de 2017. Em continuidade à Campanha Salarial de 2017, que [...]




GO!Sites