PROIFES | Federação de Sindicatos de Professores e Professoras de Instituições Federais de Ensino Superior e de Ensino Básico Técnico e Tecnológico

Comunicação

Notícias Proifes

Na Tailândia, PROIFES-Federação denuncia ataques à educação e à autonomia universitária

Publicado em : 24/07/2019

No 8º Congresso Mundial da Internacional da Educação, que acontece em Bangkok, na Tailândia, o PROIFES-Federação, representado por seu presidente, Nilton Brandão (SINDIEDUTEC-Sindicato), denunciou os seguidos ataques à educação brasileira, especialmente ao ensino superior público, com cortes orçamentários e com o programa Future-se, apresentado pelo Ministério da Educação na semana passada, que pretende flexibilizar a autonomia financeira das universidades e institutos federais, e, na prática, “representa a privatização da educação pública no país”.

Veja vídeo com fala de Brandão no 8º Congresso Mundial da Internacional da Educação:

O presidente do PROIFES também participou de mesa paralela de debates que discutiu as dificuldades dos sindicatos em serem reconhecidos pelos governos como interlocutores dos trabalhadores. Na mesa, os participantes debateram formas de cobrar dos governos o respeito aos sindicatos como legítimos representantes dos trabalhadores e, ao mesmo tempo, debateram como os demais sindicatos do mundo podem contribuir para aumentar a pressão sobre os governos.

Praticamente todos os países presentes relataram a dificuldade dos governos para respeitarem os sindicatos, inclusive governos ditos de esquerda. Além disso, verifica-se uma onda geral de ataque aos direitos dos trabalhadores, explicou Brandão. “O Brasil é sempre citado por todos como um dos cases atuais de maior destruição de direitos dos trabalhadores. Para todos é incompreensível que as organizações sociais no Brasil tenham como única perspectiva a diminuição de perdas visto que não há qualquer avanço no sentido de negociações com o governo Bolsonaro”, relatou o presidente do PROIFES.

No Congresso houve também um momento de protesto em defesa da liberdade do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que foi aplaudido entre os mais de 1400 educadores de 151 países presentes na 8ª Conferência Mundial da Educação. Os representantes da CNTE e Proifes levantaram seus cartazes Lula Livre e reivindicaram que este preso político desde 7 de abril de 2018, seja libertado.

Além de anunciar a nova diretoria, o 8º Congresso Internacional de Educação também publicou uma resolução modificando a constituição que promove o equilíbrio de gênero em termos de representação dentro de sua própria união global. Como resultado, os assentos abertos para a eleição aumentaram para 10 dos 9 - com 50% dos assentos designados para mulheres. Isso significa que os assentos do Conselho Executivo aumentarão para 27, de 26.

A América Latina é representada por 23 organizações filiadas a IE, de 12 países: CTERA, CONADU e CEA da Argentina; CNTE e PROIFES do Brasil; FAUECH, SINDI 2 INTEGRA e CPC do Chile; ASPU e FECODE da Colômbia; ANDE e SEC da Costa Rica; 21 de junho ANDES de El Salvador; COLPROSUMAH e COPRUMH de Honduras; CGTEN / ANDEN da Nicarágua; MPU do Panamá; OTEP / A e UNE / SN do Paraguai; ADP, ANPROTED e FAPROUASD da República Dominicana e FENAPES do Uruguai.

Com informações CNTE














Sem dinheiro, CNPq deve suspender pagamento de bolsas

Sem dinheiro, CNPq deve suspender pagamento de bolsas

 16/08/2019

84 mil pesquisadores terão seus recursos cortados a partir de setembro se não houver uma ampliação imediata do orçamento do órgão. Conselho precisa de mais R$ 330 milhões para fechar as contas do ano. Mais de 80 mil pesquisadores em [...]




GO!Sites