PROIFES | Federação de Sindicatos de Professores e Professoras de Instituições Federais de Ensino Superior e de Ensino Básico Técnico e Tecnológico

Comunicação

Notícias Proifes

Em Brasília, PROIFES participa do lançamento do Tesourômetro contra cortes de financiamento à educação

Publicado em : 09/08/2017

O PROIFES-Federação participou nesta quarta-feira, 9, do lançamento do Tesourômetro, na sede da Associação dos Docentes da Universidade de Brasília (ADUnB).

O Tesourômetro é um painel eletrônico que mostra, minuto a minuto, o impacto em reais dos cortes de financiamento federal para as áreas da ciência, tecnologia e humanidades desde 2015, tendo como referência o orçamento federal aprovado para aquele ano.

A ação faz parte da campanha Conhecimento Sem Cortes, uma mobilização promovida por professores universitários, cientistas, estudantes, pesquisadores e técnicos em oposição à redução dos investimentos federais nas áreas de ciência, tecnologia e humanidades e ao sucateamento das universidades públicas e dos institutos de pesquisa no Brasil.

Flávio Silva (ADUFG-Sindicato), vice-presidente do PROIFES-Federação, representou a entidade no lançamento na ADUnB, e destacou em sua fala o caráter lastimável do atual governo, que a cada dia promove um novo ataque à educação pública no Brasil.

“Na UFG (Universdidade Federal de Goiás) estamos fazendo pesquisa de forma capenga, pelas dificuldades de recursos que prejudica o desenvolvimento da ciência no país. O Brasil está indo na contramão, enquanto outros países aumentam o investimento em ciência e pesquisa, nós estamos diminuindo. Temos que envolver a sociedade desta discussão, e a comunidade científica não tem que ficar calada, tem que denunciar diariamente os retrocessos que este governo promove, com o objetivo de privatizar as universidades federais”, afirmou Silva.  

De acordo com os cálculos realizados pelo economista Carlos Frederico Leão Rocha, professor do Instituto de Economia da UFRJ, os cortes deste ano serão de R$ 4,3 bilhões. Esse número significa uma perda de quase R$ 12 milhões por dia, R$ 500 mil por hora ou mais de R$ 8 mil por minuto. Essas reduções significam uma perda de cerca de 50% do total de financiamento para a produção de conhecimento nesses dois anos.











Orçamento retido compromete funcionamento da UFG

Orçamento retido compromete funcionamento da UFG

 04/08/2017

Reitor afirma que o valor liberado só paga contas da universidade até setembro A crise das universidades públicas também é realidade na UFG. Desde 2015 a instituição enfrenta dificuldade com orçamento. Com R$ 24 milhões do [...]







GO!Sites