PROIFES | Federação de Sindicatos de Professores e Professoras de Instituições Federais de Ensino Superior e de Ensino Básico Técnico e Tecnológico

Comunicação

Notícias Proifes

COVID-19 diminui expectativa de vida no Nordeste, diz estudo

Publicado em : 25/05/2020

Além dos vários problemas de saúde e econômicos causados pelo novo coronavírus, estudo realizado pelo Observatório do Nordeste para Análise Sociodemográfica da Covid-19 (Onas-Covid-19) sugere que a expectativa de vida ao nascer das pessoas dessa região caiu em variações que vão de 23 dias a um ano e quatro meses, considerando as mortes causadas pelas Síndromes Respiratórias Agudas Graves (SRAG), que inclui a Covid-19. A média no Nordeste é de 255 dias a menos, enquanto no Brasil a estimativa de vida foi reduzida em 217 dias.

O estudo analisou as mortes ocorridas desde o início de 2020 até o dia 10 de maio, tendo como base os dados preliminares de mortes obtidas pela Central de Informações do Registro Civil (CRC), atualizados diariamente no Portal da Transparência (Painel Covid Registral) e mantido pela Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen). O trabalho é assinado pelos demógrafos Ricardo Ojima e José Vilton Costa, do Departamento de Demografia e Ciências Atuariais (DDCA/UFRN), e Victor Hugo Dias Diógenes, da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e doutorando no Programa de Pós-Graduação em Demografia da UFRN.

 A expectativa de vida de uma população é um indicador demográfico que avalia a incidência da mortalidade de uma determinada região sobre o ciclo de vida da população que tem como expressão mais conhecida a “expectativa de vida ao nascer”. “Trata-se, grosso modo, da média de anos esperados de vida que uma criança nascida em determinada localidade terá caso as taxas de mortalidade presentes se mantenham as mesmas no futuro. Mas essa medida também é calculada para toda as idades da mesma população e temos, assim, que a expectativa de vida pode ser obtida para cada idade exata”, diz os pesquisadores. 

Figura 1 – Ganhos na expectativa de vida ao nascer (em dias) excluídos os óbitos por Síndrome Respiratória Aguda Grade (SRAG), Brasil, Nordeste e Unidades da Federação do Nordeste, 2020. Fonte: Painel Covid Registral, atualização até 10.05.2020.

Os estados que apresentaram os maiores ganhos na expectativa de vida ao nascer, excluindo-se as mortes por SRAG, foram Maranhão, Ceará e Pernambuco, com perdas de 534, 485 e 408 dias de vida, respectivamente. Isso quer dizer que se fossem excluídos os óbitos por SRAG em 2020 no Pernambuco, por exemplo, uma criança nascida nesses primeiros meses do ano nesse estado, poderia viver 485 dias a mais. No Rio Grande do Norte, o número de dias a mais para novos nascidos seria de 62.

Expectativa em todas as idades

A pesquisa do Onas-Covid-19 observou ainda a perda de expectativa de vida considerando também cada idade. “Ou seja, obtemos a expectativa de vida ao nascer, mas também aos 10 anos, 20 anos, 30 anos e assim por diante até o grupo de idade final aberto, nesse caso, 90 anos e mais”, explicam os pesquisadores.

Ao considerar o ganho relativo na expectativa de vida utilizando esse parâmetro, o estudo verificou que os maiores ganhos percentuais ocorrem nas idades mais avançadas. “Percebe-se, por exemplo, que seria de quase 7% o ganho na expectativa de sobrevida de um idoso de 90 anos ou mais no Ceará ou Pernambuco se excluídos os óbitos por SRAG. Ou seja, embora o ganho de tempo médio de vida seja menor conforme avançam as idades, esse ganho representa uma maior proporção na comparação entre a mortalidade total e a mortalidade excluindo-se as mortes por SRAG”, reforçam.

Ganhos na expectativa de vida em todas as idades (em %) excluindo os óbitos por Síndrome Respiratória Aguda Grade (SRAG), Brasil, Nordeste e Unidades da Federação do Nordeste, 2020. Fonte: Painel Covid Registral, atualização até 10.05.2020.

Embora a pesquisa seja um exercício teórico, permite avaliar o peso que tem as mortes por SRAG no conjunto da mortalidade total dessa região. Considerando que as hospitalizações e mortes por SRAG entre os primeiros meses de 2019 e 2020 apresentaram uma diferença expressiva, os pesquisadores dizem ser possível supor que a Covid-19 é um fenômeno que alterou significativamente as condições de saúde da população do Nordeste e seus estados. 

Segundo os pesquisadores, mesmo que o número de mortes diárias pare de crescer, a tendência de queda deve ser mais lenta do que foi a curva de subida. “Ou seja, a pandemia da Covid-19 deverá causar uma perda significativa na expectativa de vida ao nascer e o ano de 2020 apresentará uma ruptura nas tendências crescentes que vimos experimentando ao longo dos últimos anos, principalmente em termos proporcionais entre os idosos”, completam.

Fonte: UFRN


Ensino remoto é discutido em Assembleia do Adufg

Ensino remoto é discutido em Assembleia do Adufg

 03/07/2020

Questões relacionadas ao ensino remoto foram discutidas na tarde desta quinta-feira (02/07), em Assembleia Geral Extraordinária promovida pelo Sindicato dos Docentes das Universidades Federais de Goiás (Adufg-Sindicato). Por causa da pandemia do novo coronavírus [...]
















GO!Sites