PROIFES | Federação de Sindicatos de Professores e Professoras de Instituições Federais de Ensino Superior e de Ensino Básico Técnico e Tecnológico

Comunicação

Notícias Proifes

Com presença do ministro, reunião da Comissão de Educação na Câmara acaba em discussão com estudantes

Publicado em : 23/05/2019

Abraham Weintraub respondeu perguntas dos deputados, mas não esclareceu até quando irão os cortes da Educação Superior.

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, esteve na Comissão de Educação da Câmara de Deputados nesta quarta-feira, 22 de maio, para apresentar as razões pelas quais o governo federal decidiu fazer cortes no orçamento dos Institutos e Universidades Federais e da Educação Básica. A reunião terminou em bate-boca entre deputados e representantes da União Nacional dos Estudantes (UNE) e da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES).

A confusão teve início quando a presidente da UNE, Marianna Dias e o presidente da UBES, Pedro Gorki, se dirigiram à mesa para falar ao microfone. A palavra dos estudantes, segundo eles, havia sido garantida pelo presidente da Comissão, deputado Pedro Cunha Lima (PSDB-PB), e pela deputada Professora Marcivania (PCdoB-AP), que presidia a reunião no momento. Entretanto, deputados que não poderiam falar por conta do tempo que estava se encerrando (foram 4 horas de reunião) protestaram e não permitiram que os estudantes se pronunciassem.

“A gente está aqui porque é a casa do povo. Esse seria o primeiro contato do ministro com os movimentos sociais e a sociedade civil. Mas em nenhum momento ele fez questão de ouvir os estudantes”, esclareceu Marianna após a confusão em vídeo que circula nas redes sociais. “A única coisa que a gente quer é estudar. Se o ministro não estabelece a educação como uma pauta prioritária para este governo, nós temos que protestar, nós temos que nos indignar. É por isso que estamos aqui hoje e se o ministro não quis nos ouvir hoje, que ouça a nossa voz nas ruas no dia 30”, completou, convidando a população para a manifestação em defesa da educação pública marcada para a data. 

Diretrizes

Antes da discussão com os estudantes, o ministro apresentou dados da Educação no País e as diretrizes da sua gestão. Consideradas vagas por diversos deputados, as diretrizes falam em “gestão técnica orientada à entrega de resultados”, “construção de um sistema de educação nacional orientado para o mérito e pelo mérito” e “disciplina, ordem e respeito em todos os espaços da educação, público e privados”, entre outras. 

Os deputados e deputadas se revezaram em perguntas a Weintraub, que insistiu em se referir aos cortes de recursos como “contingenciamento”, justificando que este será interrompido caso os valores recebidos pelo Ministério Público em acordo com a Petrobras decorrente da Operação Lava-Jato seja repassado para a Educação. O presidente Jair Bolsonaro afirmou que destinaria os valores para a pasta em live no Facebook.

A reunião foi tumultuada em diversos momentos. Um dos atritos do ministro com os parlamentares surgiu na interação com a deputada Tábata Amaral (PDT-SP). Ao responder a uma pergunta sobre o planejamento estratégico da pasta, Weintraub disse que publicaria no Twitter prints dos e-mails trocados com a equipe do gabinete da deputada paulista no quais a convidava para reuniões e eventos no MEC. Tábata declarou que entrará com um processo contra o ministro por “danos morais por distribuir a uma comissão pública prints com o meu número pessoal e da minha equipe. [...] Isso é um constrangimento. Isso não é atitude de um ministro”, destacou. 

Margarida Salomão (PT-MG) pediu atenção ao ministro e lembrou que as ações do Ministério deveriam se guiar pelo Plano Nacional de Educação, mas que este está inviabilizado pela Emenda Constitucional 95, que congelou os recursos por 20 anos. 

O deputado gaúcho Elvino Bohn Gass (PT-RS) destacou que o governo condicionou a restituição da integralidade do repasse às universidades e institutos federais à aprovação da reforma da Previdência. “Todos os índices dizem que a economia não vai crescer. Então de onde vai sair o dinheiro? Dizer que só vai ter se aprovar a reforma da Previdência é chantagem”, questionou, sem resposta. 

Fonte: Portal Adverso

 







FNPE: Todos firmes na greve geral

FNPE: Todos firmes na greve geral

 13/06/2019

O Fórum Nacional Popular de Educação (FNPE), composto por mais de 35 (trinta e cinco) entidades nacionais, vem a público reiterar seu integral compromisso em defesa da democracia, dos direitos de trabalhadores e trabalhadoras e de uma educação [...]



Professores da ADUFRGS aderem à greve geral de 14 de junho

Professores da ADUFRGS aderem à greve geral de 14 de junho

 12/06/2019

Consulta eletrônica com a categoria indicou 69,69% de votos a favor Por ampla maioria, os professores ativos da base da ADUFRGS-Sindical decidiram aderir à greve geral de 14 de junho, convocada nacionalmente pelas centrais sindicais contra a Reforma da Previdência e em [...]




ADUFG: Greve geral promete parar o País no dia 14 de junho

ADUFG: Greve geral promete parar o País no dia 14 de junho

 07/06/2019

A greve geral marcada para 14 de junho promete parar o País contra os retrocessos sinalizados pelo governo Bolsonaro. A convocação nacional das centrais sindicais tem a reforma da Previdência como alvo e ganhou fôlego ainda maior com o sucesso dos protestos em [...]


Diretoria da APUB visita unidades da UFBA

Diretoria da APUB visita unidades da UFBA

 07/06/2019

A diretoria da APUB esteve na manhã de hoje (07) em visitas na Escola Politécnica e na Escola de Belas Artes da UFBA, buscando mobilizar docentes para ampliar a defesa da Universidade Pública e convocando para a Greve Geral do dia 14 de junho contra a Reforma da [...]





GO!Sites