PROIFES | Federação de Sindicatos de Professores e Professoras de Instituições Federais de Ensino Superior e de Ensino Básico Técnico e Tecnológico

Comunicação

Notícias Proifes

Avanço da privatização ameaça a educação e pesquisa na América Latina, alerta IEAL

Publicado em : 02/08/2019

Primeira mesa do XV Encontro Nacional do PROIFES debateu o processo de mercantilização do setor

A primeira mesa do XV Encontro Nacional do PROIFES-Federação debateu nesta sexta-feira, 2 de agosto, em Belém, as tendências globais do processo de mercantilização da educação na América Latina. A consultora da Internacional da Educação para América Latina (IEAL), Gabriela Bonilla, apresentou um estudo, justamente, mostrando de que forma a privatização avança sobre a educação latino americana e quem está por trás desse avanço.

Gabriela estuda essas tendências há mais de uma década. A conclusão é assustadora não só pela semelhança do método utilizado nos países do continente, mas principalmente, pela consequência: a responsabilidade sobre a educação está, gradativamente, sendo transferida para as mãos do setor privado. “A tendência global institucionaliza o comércio na educação”, definiu Gabriela, mostrando que para isso, os grupos que querem o controle sobre o lucro do mercado educativo, impõem um discurso que “desvaloriza o setor público, compra e terceiriza os serviços educacionais e endivida o setor público para pagar os grupos privados”, ou seja, a privatização da educação está sendo financiada com recursos públicos. 

“O processo de privatização e comercialização da educação pública está se levando a cabo com a participação e cumplicidade dos ministérios da educação e governos de praticamente de todos os países em desenvolvimento e, em muitos casos, até mesmo com a solicitação deles”. 

Isso é possível, explica, porque o marco legal nesses países favorece o setor privado, que se movimenta facilmente na busca do controle do lucro deste enorme mercado global.

A mesa teve a coordenação da vice-presidenta do PROIFES-Federação, Luciene Fernandes, e do diretor de relações internacionais do PROIFES, Gil Vicente de Figueiredo. 

A vice-presidente da IEAL, Fátima Silva, e o representante da confederação argentina de docentes universitários (CONADU), Carlos De Feo também participaram da mesa e falaram sobre o papel do movimento sindical para segurar o avanço.


Baixe aqui a apresentação de Gabriela Bonilla.














Sem dinheiro, CNPq deve suspender pagamento de bolsas

Sem dinheiro, CNPq deve suspender pagamento de bolsas

 16/08/2019

84 mil pesquisadores terão seus recursos cortados a partir de setembro se não houver uma ampliação imediata do orçamento do órgão. Conselho precisa de mais R$ 330 milhões para fechar as contas do ano. Mais de 80 mil pesquisadores em [...]




GO!Sites