PROIFES | Federação de Sindicatos de Professores e Professoras de Instituições Federais de Ensino Superior e de Ensino Básico Técnico e Tecnológico

Comunicação

Notícias Proifes

ADUFG-Sindicato: Docentes da UFG irão paralisar suas atividades na Greve Geral do dia 14 de junho

Publicado em : 12/06/2019

O plebiscito realizado pelo Adufg-Sindicato sobre a Greve Geral contou com a participação de 307 professores. Desse total, 172 (56,21%) votos são a favor de aderir à paralisação da Greve Geral do dia 14 de junho e 130 (42,4%) contra a deflagração do movimento. A decisão aconteceu em plebiscito realizado entre os dias 3 e 10 de junho, por meio de sistema eletrônico do site institucional do Adufg. 

No entanto, o Artigo 13, Parágrafo V do Estatuto do Adufg-Sindicato prevê a necessidade da participação nos plebiscitos, de no mínimo 30% dos sindicalizados, ou seja, 778 docentes devem integrar a votação. Diante disso, o Adufg Sindicato não poderá comunicar à Reitoria da UFG, que a categoria fará greve no dia 14 de junho. No entanto, os docentes presentes na última Assembleia, realizada em 29 de maio, já prevendo que este quórum não seria atingido, decidiram aprovar a PARALISAÇÃO da categoria para o ato desta sexta-feira, 14. Informamos ainda, que, a Reitoria será comunicada hoje, 11, sobre a suspensão das atividades docentes nessa data.  

O movimento é nacional, integra a agenda das principais centrais sindicais, com apoio da Frente Brasil Popular, e marcará um período de mobilizações e protestos contra a ideia, amplamente disseminada pelo governo de Jair Bolsonaro de que os direitos previstos na Constituição não cabem no orçamento e, portanto, precisam ser revistos. Na pauta, a denúncia ao processo de desmonte do Estado Social, das políticas públicas educacionais e dos riscos de se desconstitucionalizar direitos, acabar com o sistema público e entregar a previdência para o mercado.

"Essa luta está em nossas mãos. Nossa participação coletiva é decisiva neste momento que o País tem um ministro da Educação que defende cortes. Além disso, a Reforma da Previdência e seu sistema de capitalização vai onerar os mais pobres. Vamos às ruas para mostrar que não vamos aceitar essas decisões”, afirmou o presidente do Adufg-Sindicato, Flávio Alves da Silva.

Democracia 

O dirigente chamou atenção, ainda, para a representatividade e a legitimidade do processo de consulta, que permitiu o posicionamento de um número expressivo dos docentes. "O resultado do plebiscito é, antes de tudo, a consolidação de uma forma democrática de consultar os professores e de reforçar o papel das assembleias na medida em que ela inicia o debate, cabendo à direção do Sindicato dialogar com toda a categoria”, afirmou.

Para Flávio, “a vitória do Sim reafirma a posição da nossa Diretoria em fazer parte dessa grande Mobilização em defesa da Educação, da democracia e da Previdência Social”. Participaram os professores sindicalizados e não sindicalizados.

Confira aqui o documento enviado ao Reitor comunicando da paralisação dos docentes no dia 14 de junho. 

 

Fonte: ADUFG-Sindicato














Sem dinheiro, CNPq deve suspender pagamento de bolsas

Sem dinheiro, CNPq deve suspender pagamento de bolsas

 16/08/2019

84 mil pesquisadores terão seus recursos cortados a partir de setembro se não houver uma ampliação imediata do orçamento do órgão. Conselho precisa de mais R$ 330 milhões para fechar as contas do ano. Mais de 80 mil pesquisadores em [...]




GO!Sites